Escavações Centum Cellas

Tiveram início no dia 30 de maio os trabalhos arqueológicos no complexo monumental de Centum Cellas. Os trabalhos consistem na reescavação e limpeza das ruinas colocadas a descoberto nos anos noventa do século vinte por Helena Frade, bem como a escavação de algumas áreas novas. Até ao momento, os resultados têm surpreendido os arqueólogos. De facto, têm sido identificados muitos vestígios de lagares de azeite e de vinho, bem como algumas estruturas de casas que não eram conhecidas. Já foram recolhidas cerâmicas, vidros e moedas que atestam a importância deste monumento. Realmente excecional é o achado de uma inscrição, infelizmente fragmentada.

Os trabalhos, dirigidos por Pedro Sobral de Carvalho, da Rococó, Lda, contam com a presença de arqueólogos dos vários pontos do país e da consultoria científica de Pedro Carvalho, da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, um dos mais eminentes investigadores da época romana de Portugal.

A Torre de Centum Cellas e o complexo de ruinas envolvente, é um dos expoentes máximos da presença romana do país. A torre encerra ainda hoje segredos que teimam em ficar escondidos pelo Tempo. Os trabalhos arqueológicos têm como um dos principais objetivos criar uma narrativa sobre este magnífico sítio. Os resultados obtidos com esta intervenção serão transpostos para os vários suportes de comunicação que irão ser produzidos no âmbito da valorização e musealização deste monumento. Efetivamente, os trabalhos arqueológicos são a primeira de três fases de um amplo projeto promovido pela autarquia de Belmonte, que irá contemplar a limpeza, restauro e consolidação da torre e das estruturas arqueológicas e a construção de um Centro de Interpretação. No final, os visitantes irão ter a oportunidade de perceber melhor a vida destas ruinas que perduram cerca de mil e duzentos anos.