Esta é a segunda edição da iniciativa, que se estreou em 2017. Para este ano, está garantido um maior número de participantes, que se aproximam já da centena – destacando-se a presença de uma dúzia de mulheres, dispostas a enfrentar os 600 quilómetros do desafio. Com idades entre os 20 e os 60 anos, o(a)s ciclistas são oriundo(a)s maioritariamente de Portugal, havendo também quem venha de Espanha, Brasil ou França.

Desafio: 600 quilómetros a pedalar

O The Castles Quest não é uma competição, uma vez que não há classificações nem pontuações, nem há vencedores ou derrotados. Mas há uma missão a cumprir: passar por pontos pré-definidos, nas 12 Aldeias Históricas de Portugal, num limite máximo de tempo. O percurso a efetuar é escolhido por cada participante e as inscrições são gratuitas.

O desafio pode ser realizado em duas vertentes: uma aventura mais longa, de oito dias e 600 quilómetros, e outra mais curta, de dois dias e 329 quilómetros. A primeira começa no dia 15 de setembro, com a receção e acreditação dos participantes. Neste dia, receberão documentação sobre o The Castles Quest e brindes dos parceiros, assistirão a um briefing da organização sobre a aventura que vão enfrentar, carregarão o GPS, receberão um geolocalizador e participarão numa festa-banquete de abertura. A verdadeira proeza começará no dia seguinte, quando os participantes partirem à conquista das Aldeias Históricas, à hora que cada um considerar mais oportuna, de acordo com o seu ritmo. Esta vertente mais longa tem de ser concluída até ao final do dia 23 de setembro. A aventura mais curta decorrerá entre 22 e 23 de setembro.

O The Castles Quest é um desafio particularmente estimulante e que perdura na memória dos participantes, uma vez que é uma aventura efetuada em total autossuficiência, vivida a solo ou em equipas de dois ou de quatro elementos. O participante está por sua conta, numa filosofia de bikepacking. O desafio é percorrer centenas de quilómetros, com total autonomia, em locais de elevado interesse histórico, como são os territórios onde estão inseridas as Aldeias Históricas de Portugal. A resistência e o sentido de orientação dos ciclistas irão ser postos à prova. A organização, no entanto, assegura assistência sempre que for solicitada pelos participantes, assim como disponibiliza as diferentes possibilidades de dormida, refeição e serviços complementares.

No programa de oito dias, o trajeto a realizar segue a GR22 – Grande Rota das Aldeias Históricas. É um percurso circular, de 600 quilómetros, que passa pelas Aldeias Históricas e que começa e termina em Linhares da Beira. Os ciclistas subirão um total acumulado de 13.398 metros. Os participantes da aventura de dois dias irão também pedalar pela GR22, durante 329 quilómetros. A partida e a chegada serão igualmente em Linhares da Beira.

Esta iniciativa é financiada pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), através, designadamente, dos programas Centro 2020 (Programa Operacional Regional do Centro), via Portugal 2020, e através do Programa de Valorização Económica de Recursos Endógenos (PROVERE).

ALDEIAS HISTÓRICAS DE PORTUGAL
1 DESTINO QUE SÃO 12.